Projeto Portugal 2020 aprovado: São possíveis alterações ao mapa de investimentos?

Se tem um projeto ao Portugal 2020 aprovado e pretende alterar os investimentos previstos em candidatura saiba em que medida isso é possível.

A aprovação do seu projeto tem subjacente a avaliação de todos os pressupostos apresentados em candidatura, o que implica que deva ser acautelado o impacto de eventuais alterações a este plano. Se está perante esta situação e tem dúvidas dos efeitos no seu projeto, aconselhamos a que responda às seguintes questões:

  1. Os investimentos são considerados elegíveis na medida de apoio? – Cada medida de apoio tem associada uma lista de investimentos elegíveis, pelo que antes de mais deve verificar se o novo investimento a considerar está contemplado na mesma;
  2. Existe disponibilidade orçamental do projeto para realizar os novos investimentos? – O investimento elegível de cada projeto não pode ir além do valor total aprovado, logo será necessário verificar se tem verba disponível no seu projeto para incluir este novo investimento, por forma a não ultrapassar o valor aprovado;
  3. O novo investimento está relacionado com os objetivos do projeto? – O investimento terá de estar diretamente relacionado com a estratégia definida pela empresa em sede d candidatura, bem como devidamente alinhado com as despesas elegíveis na respetiva medida de apoio;
  4. Algum dos investimentos não realizados contribuía diretamente para o apuramento do mérito do projeto? – Existem investimentos específicos do projeto que contribuem diretamente para a sua pontuação em termos de MP (mérito do projeto), cuja não realização poderá implicar uma revisão desta valia e no limite a rescisão do contrato com o programa operacional.

 As questões anteriores são apenas exemplos de situações que deverá ponderar, no entanto, poderão haver outras, pelo que em caso de dúvida aconselhamos que contacte técnicos devidamente especializados nesta matéria – HMW.

 

Sofia Ventura

Consultora de Corporate Finance

Pensamento baseado nos riscos na ISO 9001:2015

Uma das principais alterações na versão 2015 da ISO 9001 passa pelo estabelecimento de uma abordagem sistemática que tenha em conta o risco. O risco é inerente a todos os aspetos de um sistema de gestão da qualidade, sendo que o pensamento baseado no risco assegura que estes riscos são identificados, considerados e controlados ao longo do design e utilização do sistema de gestão da qualidade.

GRAU DE MUDANÇA

O pensamento baseado no risco sempre esteve presente na ISO 9001. Esta revisão apenas o integra em todo o sistema de gestão.

Ao usar o pensamento baseado no risco a consideração dos riscos torna-se proativa em vez de reativa na prevenção ou redução dos efeitos indesejáveis, pelo que, quando um sistema de gestão se baseia no risco, as ações preventivas já estão integradas no mesmo.

O risco é geralmente entendido como tendo apenas consequências negativas; contudo, os efeitos do risco podem tanto ser negativos com positivos, e é por isso que na ISO 9001:2015 os riscos e as oportunidades são, muitas vezes, citados em simultâneo.

Não é intenção da ISO 9001:2015 exigir que as Organizações adotem metodologias formais de gestão do risco, mas sim provocar uma mentalidade de “pensamento baseado no risco”.

PORQUÊ UTILIZAR O PENSAMENTO BASEADO NO RISCO

Ao considerar-se o risco ao longo de todo o sistema e todos os processos, aumenta a probabilidade de se atingirem os objetivos definidos, o output é mais consistente e os clientes podem ter confiança que irão receber o produto ou serviço esperado.

O pensamento baseado no risco visa portanto:

  • melhorar a governança;
  • estabelecer uma cultura proativa de melhoria;
  • assegurar, de forma consistente, a qualidade de produtos e serviços;
  • melhorar a confiança e a satisfação dos clientes.

EM RESUMO, as Organizações de sucesso incorporam intuitivamente o pensamento baseado no risco.

Contacte-nos já!

Luísa Caires

Diretora Sistemas Gestão

Outsourcing? Será uma opção a ter em conta para acompanhar os seus projetos?

Será o outsourcing uma excelente opção para o acompanhamento dos seus projetos de investimento?

Projetos de investimento

Fases:

  1. Enquadramento
  2. Candidatura
  3. Execução

Entregue a técnicos especializados:

 

Fase 1: Enquadramento do projeto numa medida de apoio

– Identificação dos objetivos estratégicos da organização

– Identificação dos objetivos SMART

– Identificação de necessidades de investimento

– Enquadramento do projeto na tipologia de investimento mais adequada

– Recolha de elementos

– Verificação de critérios de elegibilidade do promotor e do projeto

 

Fase 2: Preparação e submissão de candidatura

– Calendarização dos investimentos

– Estudo de viabilidade

– Elaboração da memória descritiva do projeto

– Preenchimento de formulário

– Submissão de candidatura

 

Fase 3: Execução do projeto de investimento

– Instrução do dossier de candidatura

– Acompanhamento de todos os trâmites processuais junto do organismo intermédio:

– Resposta a todos os pedidos de elementos

– Validação da documentação remetida

– Resposta a pedidos de elementos

– Elaboração dos Pedidos de Pagamento

– Acompanhamento do cliente em sede de auditoria física e financeira do projeto

– Encerramento do projeto.

 

Para que um projeto de investimento seja executado com sucesso importará ser acompanhado por uma equipa que:

  1. Conheça a legislação aplicável
  2. Domine os trâmites processuais
  3. Tenha experiência consolidada na execução de projetos
  4. Alerte para situações críticas
  5. Antecipe problemas
  6. Identifique soluções alternativas

 

O outsourcing é a sua melhor opção!

 

Catarina Ferreira

Consultora Área de Projetos & Incentivos HM Consultores

Medida de Apoio à Internacionalização PME: Setores vitivinícola e oleícola

Beneficiários:

    Empresas PME de qualquer natureza e sob qualquer forma jurídica

Objetivo:

   Promoção de produtos e serviços em mercados externos (estratégia de reforço da presença, bem como penetração em novos mercados) – 24 meses de execução do projeto de investimento

Forma e taxa de incentivo:

   45%, incentivo não reembolsável, vulgo fundo perdido

Despesas Elegíveis:

  • Viagens de Prospeção
  • Convite a clientes/prospects oriundos de mercados externos – Missões Inversas
  • Envio de amostras
  • Participação em concursos internacionais
  • Participação em feiras internacionais
  • Serviços de Design (rótulos e product profile)
  • Desenvolvimento de website
  • Desenvolvimento de material promocional
  • Sistemas de Gestão (IFS e BRC) – normas exigidas para penetração em determinados mercados externos
  • Contratação de colaboradores, licenciados (Salário comparticipado durante os 24 meses do projeto)
  • Serviços de Marketing Internacional (Estudos de mercado, Ações em ponto de Venda)
  • Publicidade em revistas internacionais

 

Tem investimentos para realizar a curto prazo? São investimentos diferentes das rúbricas anteriormente identificadas? Fale connosco, podemos ter a solução!

info@hmw.pt

234 377 840

 

João Póvoas

Diretor HMW – Consultoria de Gestão em Vinhos & Azeites

Práticas da HMW no controlo dos desvios e metas dos seus projetos

A exigência do cumprimento dos deveres na execução de um projeto no âmbito do Portugal 2020 pode muitas vezes ser um entrave para o cumprimento dos objetivos definidos em sede de candidatura levando ao insucesso do projeto.

A HMW, apoia na gestão do seu projeto, controlando os desvios e fornecendo indicações para que tome sempre decisões informadas e alcance os objetivos.

Práticas HMW

  • Apoiamos na manutenção do processo documental;
  • Ajudamos a assegurar o correto financiamento do projeto;
  • Informamos sobre as regras de Publicitação a cumprir;
  • Auxiliamos na obtenção de adiantamentos;
  • Assessoramos no cumprimento de obrigações:
    • Manutenção dos postos de trabalho
    • Garantir que os incentivos apoiados permanecem na Empresa
    • Manutenção de situação de dívida regularizada
    • Lançamento das despesas do projeto.

O conhecimento integral de todas as obrigações, assim como o controlo e correção dos desvios  é essencial para tirar o máximo partido dos projetos de investimento Portugal 2020.

Marta Ferreira

Consultora de Inovação e Excelência

Aplique de forma eficiente o orçamento anual da sua empresa

Quando ouvimos as palavras orçamento, plano, ou projeções, é fácil que o nosso pensamento fique atulhado de números e gráficos informativos, fórmulas e folhas de calculo com informação histórica e outra tanta por trabalhar.

De facto, orçamentar pode incluir tudo disso. Resume-se ao processo de mensurar a estrutura de custos necessária a suportar as nossas perspetivas sobre o volume de atividade e estratégias de crescimento.

A qualidade da informação produzida é tão mais elevada quanto acurada e exaustiva for a informação histórica utilizada como referência. Esta afirmação é igualmente válida no contexto empresarial.

O orçamento é uma das principais ferramentas de implementação do plano estratégico definido, devendo partir da validação da visão, missão e valores da organização até à estratégia de negócio a curto-médio prazo. Este deve contemplar, para além dos custos de estrutura, as perspetivas de investimento que coadunem com os objetivos a alcançar.

A título de exemplo, quando a estratégia definida inclui a aposta na internacionalização da atividade, o orçamento deverá incluir custos associados a atividades de marketing e promoção iniciais e a perspetiva de impacto ao nível do acréscimo de vendas. Também deve ser tido em conta as necessidades de reforço da estrutura (recursos humanos, infraestruturas ou ativos) resultante do aumento da atividade ou ainda o nível de stocks ideal que não comprometa a aposta tomada.

Não menos importante deve ser a forma clara como se identifica e mensura a estrutura de financiamento que suporta todo o orçamento. O rigor assumido neste processo é peça fulcral na adequação entre esta ferramenta e a realidade verificada nos meses que se seguem.

Para o efeito, é imperativo que os empresários conheçam todas as ferramentas disponíveis que possam produzir efeitos positivos ao nível da estrutura anual de custos e investimentos. Complementos financeiros ou fiscais que, uma vez devidamente identificados, ajudam a aliviar o esforço de investimento e, por conseguinte, introduzem a possibilidade de alavancar a atividade da empresa, isto é, a geração de valor por euro investido.

A assessoria especializada neste domínio pode ser a única forma de tomar consciência da plenitude de medidas existentes ao serviço das empresas, desde apoios à internacionalização ao financiamento de atividades de I&D, passando pela contratação de recursos humanos ou investimentos produtivos de crescimento. Tornar o seu orçamento uma ferramenta estratégica do dia-a-dia contribui de forma definitiva para a eficiência dos processos de gestão.

 

Paulo Pires

Diretor Área de Projetos & Incentivos